9a Mostra Cinema Popular Brasileiro abre período de inscrições – Este ano a mostra inova e acontece também pela Internet

A 9a Mostra Cinema Popular Brasileiro abre hoje, dia 12 de agosto de 2012, o calendário das atividades deste ano. As inscrições de filmes podem ser feitas através do site da mostra http://www.mostracinemapopularbrasileiro.wordpress.com.

É a primeira vez que um projeto de exibição de cinema e vídeo da Região dos Lagos acontece presencialmente e também pela Internet. A 9a Mostra Cinema Popular Brasileiro deste ano acontecerá em espaços públicos e privados da cidade, em uma escola municipal, e no site da mostra, possibilitando o maior acesso do público aos filmes participantes com esta última opção.

Homenagem ao jornalista Benoni Alencar

Propondo uma reflexão sobre a democratização das novas mídias digitais no Brasil, a maior capacidade de acesso da juventude aos novos suportes de captação de imagem, e a difusão audiovisual no cenário das mobilizações sociais, a mostra presta uma homenagem ao militante e jornalista morto ano passado em Rio das Ostras, Benoni Alencar.

A iniciativa foi da organizadora da mostra, a também jornalista, Leonor Bianchi. Segundo ela, a homenagem ‘in memorian’ a Benoni Alencar foi criada para que a data de sua morte não seja esquecida e para que seu pensamento não seja silenciado. “Benoni teve uma vida dedicada à busca pelos diretos humanos, pela liberdade, pela democracia, tudo o que estamos tratando nesta mostra. Não poderíamos nos furtar a mencionar seu nome na edição da mostra e fazer ecoar seu grito, que soará eternamente nas mentes dos estudantes, dos ativistas socialistas, dos homens bem. É preciso que Rio das Ostras valorize seus homens de bem e permita que suas histórias não sejam apagadas pelo tempo ou por condições ideológicas conflitantes com as de quem conta a história oficial”, ressalta a jornalista e organizadora da mostra.

Benoni foi líder estudantil na época da ditadura militar e por sua intensa atuação no movimento estudantil foi preso em Teresina. Nesse tempo criou o codinome “Geovane de Valença”. Após perseguições políticas, veio para o Rio de Janeiro, e escolheu a cidade de Niterói para viver com sua família. Na chamada Região Oceânica, em Niterói, escreveu para diversos jornais locais, foi ícone das lutas dos trabalhadores, atuou em partidos de esquerda.

Nos últimos anos vinha defendendo a linha de pensamento apresentada por militantes do PSOL e tornou-se fundador do Núcleo do PSOL Serramar ao lado de jovens militantes de Rio das Ostras e Macaé.

Em sua casa, no Palmital (Rio das Ostras), promovia verdadeiros seminários sobre política, filosofia, sociologia… foram muitos os amigos que ali compartilharam momentos inesquecíveis de grande troca e aprendizagem.

ImprensaBR

Assessoria de Comunicação